• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Outra é a situação das cerimônias, as quais foram abolidas não no efeito, mas somente no uso. Embora, por sua vinda, Cristo lhes tenha posto fim, nada lhes subtraiu à santidade: ao contrário, ainda mais a recomenda e enaltece. Ora, assim como ao povo antigo teriam as cerimônias oferecido um espetáculo vazio, salvo se nelas fosse revelado o poder da morte e da ressurreição de Cristo, assim também, se elas não cessassem, hoje não seria possível discernir com que propósito foram instituídas.

O sermão sobre as duas espécies de justiça é uma amostra das tentativas de Lutero no sentido de comunicar o povo as verdades redescobertas nas obras do apóstolo Paulo e Santo Agostinho. Não se sabe ao certo quando Lutero proferiu o sermão. O texto da Epístola aos Filipenses 2.5-8 sugere o Domingo de Ramos de 1518 ou 1519. Publicado pela primeira vez em 1519, na casa editora de Johann Grünenberg.

Acresce que nosso Senhor não tinha nenhuma necessidade de tomar sobre si a cruz, a não ser para atestar e provar sua obediência ao pai; a nós, porém, por muitas razões se faz indispensável passar a vida debaixo de uma cruz permanente. Acima de tudo, como somos sobremodo propensos, de natureza, salvo se nossa fraqueza nos tenha sido demonstrada ante nossos olhos, que tudo se atribui à nossa carne, facilmente estimamos nossa própria capacidade acima da justa medida; nem duvidamos que, não nos importa o que nos sobrevenha, ela não se quebranta e é insuperável contra todas as dificuldades. Daí somos transportados à confiança estulta e vã da carne, fundamentados na qual então nos inflamos insolentemente de orgulho em relação ao próprio Deus, como se nossos próprios recursos nos fossem suficientes sem sua graça.

Nas Escrituras a coisa não é assim. E as questões que dizem respeito à suma majestade, bem como os mistérios mais abstrusos, não estão mais num beco obscuro, e, sim, nas próprias praças públicas e à vista de todos, revelados e expostos. Pois Cristo nos abriu a inteligência para que entendamos as Escrituras. E o Evangelho foi pregado a toda criatura.

Porque Cristo instituiu este sacramento? Para sua memória, para a memória de seu sofrimento, sua vida, suas obras e favor, sua ressurreição e ascenção. Esta elevação da terra à cruz, da morte para a vida, do mundo para o céu deve existir na mente do sacerdote, quando ele levantar o venerável sacramento do corpo de Cristo.

O Credo Niceno-Constantinopolitano, é uma declaração de fé cristã que é aceita pela Igreja Católica, pela Igreja Ortodoxa Oriental, pela Igreja Anglicana e pelas principais igrejas protestantes. O nome tem a ver com o Primeiro Concílio de Nicéia(325), no qual foi adotado, e com o Primeiro Concílio de Constantinopla(381), onde foi aceita uma versão revista. Por esse motivo, ele pode ser referido especificamente como o Credo Niceno-Constantinopolitano para o distinguir tanto da versão de 325 como de versões posteriores que incluem a cláusula filioque. Houve vários outros credos elaborados em reacção a doutrinas que apareceram posteriormente como heresias, mas este, na sua revisão de 381, foi o último em que as comunhões católica e ortodoxa conseguiram concordar em todos os pontos.

O artigo discute o desenvolvimento da linguagem teológica, com foco em Atanásio de Alexandria e sua defesa do termo homoousios. Por que foi necessário estes desenvolvimento em primeiro lugar?

Em tempos onde a teologia da prosperidade faz vários adeptos, é no mínimo interessante a informação trazida por Jim West em seu blog, Zwinglius Redivivus, sobre a situação econômica de João Calvino, do livro The Life and Times of John Calvin, the Great Reformer.

Historiadores dos anos 70 costumam caracterizar o casamento antes do século 19 como sem afeição, cheios de formalidades frias e isolamento emocional. Scott M. Manetsch investiga isto nos próprios registros e escritos dos pastores da Companhia de Pastores de Genebra.

Página 14 de 15

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários