• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Imploro-lhes que sejam abundantes em boas obras e beneficência

Escrito por  Richard Baxter
Richard Baxter

Richard Baxter dedica o primeiro capítulo de seu The Reformed Pastor para tratar da forma que o pastor deve atender a si mesmo. O trecho a seguir é retirado deste capítulo e dá um conselho muito útil àqueles que desejam pregar o evangelho.


Procurem os pobres e conheçam suas necessidades; mostrem compaixão em relação à sua alma e aos seus corpos. Comprem-lhes um catecismo e outros pequenos livros que lhes façam bem e peçam-lhes que prometam ler com cuidado e atenção. Abram seus bolsos ao máximo e façam todo o bem que puderem. Não se concentrem em riquezas mundanas nem busquem grandes coisas para si mesmos e para seus descendentes. Caso empobreçam por fazer o bem, terá sido ganho ou perda? Se os senhores realmente creem que Deus é o provedor do sustento, e que gastar no seu serviço é o maior investimento, ajam com base no que creem. Sei que sangue e carne lutarão para manter sua presa e não desejarão que algo seja dito contra seus interesses; no entanto, gravem bem o que digo (e que o Senhor o inculque em seus corações): se alguém tiver no mundo alguma coisa tão preciosa que não possa entregá-la a Cristo, tal pessoa não será verdadeiramente cristã. Digo mais: um coração carnal – que não acredita que Cristo poderá pedir algo que ele não esteja disposto a entregar – a si mesmo se engana, pois não se dispõe a gastar em favor de Cristo exatamente aquilo que tem de ser gasto, isto é, tudo – e não será verdadeiramente crente. Um coração falso corrompe o entendimento e alimenta as próprias ilusões. Não pretendam fazer amigos com as riquezas deste mundo, mas ajuntem tesouros de justiça, ainda que lhes sobre pouco na terra. Fazendo-se pobre na terra, nada perderão no céu. Na caminhada , quanto mais leves, melhor caminhamos.

Meras palavras não conseguirão arrancar o dinheiro das mãos do homem de coração carnal e avarento. Falem quanto quiserem. Falar é uma coisa, mas crer é outra. Entretanto, as palavras da verdade prevalecem no coração dos crentes. Que abundância de bem teriam os ministros, se desprezassem o mundo, suas riquezas e glórias, e aplicassem tudo o que têm no serviço do Mestre, constrangendo a carne para ter com que fazer o bem! Tal generosidade faria mais em termos de abrir os corações para receber a doutrina do que toda oratória existente. Sem generosidade, a singularidade da fé parecerá hipocrisia. “Quem pratica a generosidade ora ao Senhor; que arrebata um homem do perigo oferece rico sacrifício; tais são nossos sacrifícios santos para com Deus. É mais consagrado entre nós quem é menos consciente de si mesmo”, disse Minucius Felix1. Não precisamos fazer como aqueles que entregam suas propriedades e se retiram para os monastérios – e, no entanto, nada devemos possuir exceto aquilo que temos em mãos para zelar como mordomos de Deus.

Notas

1. Minucius Felix foi um advogado do período pré-niceno, cuja obra Octavius (século 2o ou 3o d.C.) é considerada como a primeira defesa cristã escrita em latim. Entretanto, não se sabe ao certo se ele é anterior a Tertuliano. M. Felix é de origem norte-africana e converteu-se ao Cristianismo já no final de sua vida. A obra Octavius é um escrito apologético, cujo fim principal é defender o Cristianismo, e é escrita em forma de diálogo, que apresenta uma conversa entre três amigos, numa praia próxima a Roma: Cecílio, um pagão, e dois cristãos: o narrador e o amigo comum, Otávio. Cecílio era um cético, ou seja, entendia não ser possível o conhecimento da verdade. Otávio, então, tem o objetivo de convencer o amigo de que a verdade é possível no Cristianismo [N. do E.].

Manual Pastoral de Discipulado"Manual Pastoral de Discipulado ", Richard Baxter, Ed. Cultura Cristã, páginas 48 e 49.

Ler 1062 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários