• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Jesus na Oração cristã primitiva

Escrito por  Larry Hurtado
Jesus orando

Em postagens anteriores eu dei resumos concisos do tema de minhas palestras como visitante na Rice University e uma das duas palestras na Houston Baptist University. Nesta postagem eu quero resumir a outra palestra da HBU: “O lugar de Jesus na Oração Cristã primitiva e seu Significado para a Identidade cristã primitiva”.

Em vários textos neotestamentários, Jesus é mostrado como o intercessor ou advogado celestial em benefício dos crentes. Esta é uma ênfase bem conhecida na epístola aos Hebreus, é claro(por exemplo, 2:14-18; 4:14-5:10; 7:15-8:7; 9:11-22; 10:11-14). Mas esta ideia também tem reflexos tão cedo quanto na passagem da epístola de Paulo aos Romanos(8:34), onde Jesus é “aquele que intercede por nós”. Aqui, a intercessão de Jesus parece agir antes de tudo para estabelecer os crentes como aceitáveis a Deus. A carta de Paulo e a referência abreviada à ideia sugere que ele já a considerava familiar entre seus pretendidos leitores, sugerindo que ela era “propriedade comum” entre os vários tipos de círculos cristãos primitivos. Isto parece ser confirmado na referência a Jesus como o “advogado com o Pai” dos/para os crentes em 1 João 2:1. Da mesma forma, a referência em João 14:16 de “outro advogado” (ali identificado como o Espírito Santo) parece aludir à noção de que o Jesus ressurreto é advogado. A defesa de Jesus a Deus em benefício dos crentes, e a defesa do Espírito de Jesus aos crentes.

Em alguns outros textos neotestamentários, Jesus é mostrado como o mestre e o modelo de oração para os crentes. O Evangelho de Mateus tem referências distintivas a Jesus ensinando seus discípulos como orar (Mt 6:5-8), seguido pela versão de Mateus da “Oração do Senhor” (6:9-13), que claramente funciona como um modelo de oração. Mas, entre algumas outras referências neotestamentárias, no Evangelho de Lucas há uma particular ênfase em Jesus orando, algumas das referências distintivas em Lucas (por exemplo, 3:21; 5:16; 6:12; 9:18, 28-29). Da mesma forma, Lucas tem algumas orações atribuídas a Jesus (10:21-23; 22:32; 23:46). No Evangelho de João também, Jesus tanto ora quanto ensina seus discípulos a orar e em outros textos neotestamentários também temos referências a Jesus orando.

Jesus também é mostrado como recebendo orações em alguns textos neotestamentários. É claro, o Novo Testamento mostra primariamente orações sendo endereçadas a Deus. Mas em vários casos Jesus é o recipiente ou co-recipiente. O exemplo mais comum parece ter sido a invocação/aclamação corporativa onde o evento de adoração corporativa foi constituído, que envolvia um “apelo” a Jesus. Da mesma forma no batismo cristão primitivo, alguém apelava a Jesus, o invocando sobre a pessoa batizada. De fato, em 1Co 1:2, Paulo se refere aos membros crentes simplesmente como aqueles que em todo lugar “invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo”. Talvez nossa primeira referência, contudo, seja 1Ts 3:11-13, onde Deus e Jesus são juntamente invocados a habilitar Paulo a revisitar a igreja de Tessalônica. Outros exemplos podem ser citados (por exemplo, 2Ts 2:16-17), e em 2Co 12:6-10 Paulo se refere a seus repetidos apelos a Jesus para livrá-lo do “espinho na carne”. O frequentemente citado “maranatha” em 1Co 16:22 indica que a invocação litúrgica de Jesus era praticada em círculos de crentes de idioma aramaico assim como em círculos de idioma grego.

Jesus também é mostrado como a base da oração cristã. Como foi notado, a oração é dominantemente endereçada a Deus nos textos neotestamentários. Mas é também verdade que orações são tipicamente oferecidas com referência a Jesus, por exemplo, “em seu nome” e/ou “através” dele (por exemplo, Rm 1:8; 7:25; Cl 3:17; Ef 5:20). Estes textos provavelmente refletem a atual prática de oração, onde o status de Jesus com Deus foi invocado como uma base distintiva para a oração.

Em todas estas formas, a oração cristã primitiva reflete características distintivas, dando aos cristãos primitivos uma identidade religiosa distintiva. O lugar programático e singular de Jesus não tinha paralelo ou precedente na matriz judaica de onde os primeiros seguidores de Jesus surgiram. Assim, naquele ambiente religioso romano, a prática de oração cristã primitiva refletiu o sentido de se ter uma identidade particular e distintiva.

Fonte: http://larryhurtado.wordpress.com/2013/04/24/jesus-in-early-christian-prayer/

Ler 3246 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Itens relacionados (por marcador)

  • Propósito e Significado de "Ego Eimi"

    Apesar das evidências da Deidade do Senhor Jesus Cristo serem numerosas neste livro, um conjunto destas evidências tem sempre fascinado os teólogos. Jesus atribui a frase específica ego eimi a Si mesmo frequentemente no Evangelho de João, e um número de vezes ele assim faz de forma tão fértil, não provendo qualquer predicado imediatamente identificável. O registro de João destas palavras também é significante, já que ele provê colocações bastante óbvias para estas palavras, enfatizando sua importância. Há alguma importância nesta frase? Qual é seu propósito e significado? Esta frase apresenta ainda outro aspecto da Deidade de Cristo? Este será o tema da seguinte investigação.

  • Esclarecimento sobre as origens do Natal

    O Natal hoje é a festa cristã mais difundida por todo o mundo, apesar dos elementos cristãos desta festa nem sempre estarem tão presentes. O Natal se tornou uma festa onde as pessoas estão mais solidárias, onde a vontade de se reunir a família é maior, onde os presentes são importantes... Ela se tornou uma data principalmente comercial.

  • Os aniquilacionistas sobre a parábola do rico e de Lázaro

    Há outro aspecto importante da análise teológica na interpretação das parábolas. As parábolas podem servir ao importante propósito de fixar doutrina em nossa memória de um modo particularmente admirável. Contudo, os expositores ortodoxos unanimemente concordam em que nenhuma doutrina deve basear-se numa parábola como sua primária ou única fonte. A base lógica deste princípio é que passagens mais claras das Escrituras são sempre usadas para esclarecer passagens mais obscuras, e nunca vice-versa.

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários