• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

O texto analisa o pensamento trinitário de Tertuliano, buscando entender os conceitos usados por este autor. Seria Tertuliano ortodoxo em seu pensamento trinitário? O texto visa responder esta questão.

O estoicismo foi uma escola importante do pensamento helenístico. Os estoicos derivaram seu nome do Pórtico (stoa) Pintado, em Atenas, onde ensinava o fundador deles. Embora a escola, fundada por Zenão de Cício (335-263 a.C), continuasse a manter a sua sede em Atenas, no decurso da sua existência de mais de meio milênio, seus maiores pensadores e praticantes não procediam da Grécia continental.

Agora uma pergunta sugerida por nossa discussão do argumento do movimento no capítulo 3 é se nossa vontade pode ser de fato livre. Pois se Deus é o primeiro motor sustentando todo o movimento ou mudança que ocorre no mundo, isto teria que incluir o movimento ou mudança que resulta de nossos atos voluntários. Mas neste caso, como eles seriam atos livres?

Os dados do Ap 2.6.14.16.20 não permitem identificar a seita dos nicolaítas nem de fixar-lhe, mesmo aproximativamente, as origens. Provavelmente trata-se de um movimento de cunho doutrinal e ético. Se se deve reconhecê-los nos "falsos apóstolos" (Ap 2.2), corresponderiam àqueles pregadores itinerantes, que se faziam passar por profetas e apóstolos sem sê-lo (cf. 1 Ts 5,20-21; 1 Jo 4,1), que deixaram vestígios também nos inícios do séc. II (In., Eph. 9,1; Did. 11.8-10).

Ainda que a luz da natureza e as obras da criação e da providência de tal modo manifestem a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, que os homens ficam inescusáveis, contudo não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e da sua vontade necessário para a salvação; por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja aquela sua vontade; e depois, para melhor preservação e propagação da verdade, para o mais seguro estabelecimento e conforto da Igreja contra a corrupção da carne e malícia de Satanás e do mundo, foi igualmente servido fazê-la escrever toda.

O ebionismo nunca foi uma doutrina muito difundida. Parece ter desaparecido na medida em que a igreja foi se tornando cada vez mais gentílica e menos judaica. Isto não significa, contudo, que esse ensino não representou um desafio para a igreja dos primeiros séculos. Pelo contrário, o que estava em jogo aqui era a singularidade de Jesus Cristo, em contraste com a possibilidade de distorcer sua figura de modo tal que pudesse simplesmente ser sobreposto à antiga religião judaica. Dessa forma, segundo o ensino ebionista, Jesus deixava de ser único e central. Ele não era mais o filho unigênito de Deus, mas um mero profeta dentro da sequência de profetas. Ele não era mais o salvador, mas simplesmente um elemento - algumas vezes secundário - da ação de Deus ao longo desta era.

Já cedo em sua história, a igreja enfrentava inúmeros desafios. Além da perseguição do império, o desafio dos judaizantes, a igreja primitiva começava a enfrentar um grupo dissidente, que posteriormente ficaria conhecido como "os gnósticos". Este grupo não era uniforme. Havia vários mestres gnósticos, e cada um deles defendia uma doutrina específica. O que tinham em comum era o fato de dizerem haver recebido um conhecimento (gnosis) secreto do próprio Cristo ou dos apóstolos, de onde veio seu nome. Mistificavam a leitura das Escrituras, quando não elaboravam seus próprios escritos, atribuindo a autoria a algum apóstolo.

Clemente, contudo, cujas palavras acabamos de ler, enumera, na continuação do que foi dito, os apóstolos que foram casados, por causa dos que condenam as núpcias. "Por acaso eles reprovam também os apóstolos? Efetivamente, Pedro (Marcos 1:30; 1 Coríntios 9:5) e também Felipe tiveram filhos. Filipe até deu as filhas em casamento. Igualmente Paulo não hesita em certa carta em saudar sua companheira (Filipenses 4:3) que ele não levara consigo (1 Coríntios 9:5,12), para o bem de seu ministério.

Há algum tempo postei o trecho da Vida de Antão, escrito por Atanásio de Alexandria, para tratar de da defesa de um padre católico da intercessão dos santos. Desde então muitos vieram ao site para comentar o texto, dizendo que o texto não nega a intercessão dos santos. A quantidade de comentários neste sentido foi grande, o que mostra que o texto original precisava de ser melhor apresentado.

Página 3 de 15

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários