• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Comentário a Romanos 7:2-4

Escrito por  Karl Barth

“Ora, a mulher casada está ligada ao marido pela lei, enquanto ele viver; mas, se ele morrer, ficará desobrigada da lei conjugal. De sorte que se ela se unir a outro homem enquanto o marido for vivo, será considerada adúltera; porém morrendo o marido, estará livre dessa lei. Assim também vós, meus irmãos, fostes arrancados, pela morte, da vida em que domina a lei, a saber, pela morte do corpo de Cristo, a fim de que fôsseis unidos a outro, isto é, àquele que ressurgiu dos mortos, para que constituíssemos fruto para Deus.”

[A tradução de Almeida, para o versículo 4, escreve: “Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, àquele que ressuscitou dentre os mortos, e deste modo frutifiquemos para Deus”.]



Cruz da salvação

Esclareçamos o sentido específico da expressão “enquanto viver” (7,1) mediante uma analogia: “Enquanto viver”, mas apenas enquanto viver! A prescrição das coisas que são válidas nesta vida, depende da morte.

Assim, estando vivo, o marido caracteriza sua mulher como sua esposa e a obriga para com ele; se na vigência dessa condição ela se unir a outro homem, será considerada infiel e adúltera. Porém, com a morte do marido fica a esposa livre (da primitiva obrigação legal) e, se então ela se unir a outro homem, já não será tida por infiel e adúltera. Portanto, na legítima ordenança da lei moral do matrimônio, cada cônjuge está preso à contingência da sobrevivência da outra parte contraente. Paulo baseia seus exemplos materiais na prática legal da época.

Dentro desta ordem estabelecida, as partes têm de sujeitar-se à condição do trato conjugal sem outra opção; todavia, é a própria ordem existente que libera a parte sobrevivente quando um dos cônjuges falecer, ficando o remanescente livre para, inclusive, optar por outra ligação matrimonial.

A morte representa, pois, no caso figurado, a criação de situação inteiramente nova, radicalmente diferente. Aliás, representa um retorno do sobrevivente a seu estado anterior ao do contrato que o ligou ao cônjuge falecido.

Esta foi a analogia (a parábola).

Agora, vejamos a aplicação: “Assim, também vós fostes libertados da lei, pela morte do corpo de Cristo”.

Sim, sois vós que recebestes a graça, que estais sujeitos ao jugo e à libertação que a morte encerra. Sois vós a criatura que é sujeita à lei, enquanto viver; porém, apenas ‘enquanto viver'.

Enquanto estiverdes enquadrados na ordem que ‘precisa' existir o relacionamento entre Deus e os homens e tiverdes as possibilidades peculiares à humanidade, inclusive a da religião, que é a mais importante de todas; enquanto estiverdes debaixo do pecado, e portanto, sujeitos à lei, estareis cerceados, acorrentados, aprisionados pela problemática da religião e estareis inarredavelmente comprometidos com ela (como a esposa está comprometida com seu marido enquanto ele não morrer).

Todavia, assim como a mulher fica desobrigada de seus compromissos e deveres com o marido, quando ele morrer, quando vós, nessa ordem estabelecida, não fordes quais nela realmente sois, mas estiverdes debaixo da graça e já não precisardes ficar sujeitos à lei, quando estiverdes fora dessa ordem que “precisa” existir no relacionamento entre Deus e os homens, então estareis livres das peias que vos cerceavam, libertos, abertos para receber e gozar da unidade existencial eterna, para a essencialidade, a claridade e a plenitude da possibilidade que vem de Deus, e que está além da problemática religiosa.

Acaso estais, a um só tempo, cercados e desimpedidos, atados e soltos, prisioneiros e livres? Ou estais transformados, convertidos, postos em nova direção?

Sim. Tudo isto acontece pela graça de Cristo, pois assimilando a Cristo, sois assimilados pela sua morte – ceifados pela morte com o seu corpo material. Todas as possibilidades humanas, inclusive a religiosa, são rendidas e oferecidas a Deus no alto do Gólgota.

Morre aquele que estava sujeito à lei (Gálatas 4:4), o Cristo que, com todo o Israel reto e piedoso do seu tempo, se submeteu ao batismo do arrependimento ministrado por João; ele, o Profeta, o Sábio, o Mestre, o Amigo da humanidade, o Messias Rei, morre, para que viva o Filho de Deus.

Com a morte do Cristo, segundo a lei, cumpriu-se a mais sublime, a última possibilidade humana: a possibilidade de ser uma pessoa crente, piedosa, espiritual, voltada à oração. E o cumprimento desta possibilidade se dá mediante a sua total extinção porquanto, no Gólgota, também a pessoa religiosa – a despeito de tudo o que ela seja, quanto tenha ou faça – ao próprio Deus (e somente a Deus) ributa honra, louvor e glória.

Juntamente com o corpo humano de Cristo, também nós morremos para a lei, e somos arrancados, pela morte, da vida onde a lei impera. Vista desde a cruz, a religião, como realidade histórico-espiritual, na forma desta ou daquela conduta humana, visível, é algo que deve ser removido (Colossenses 2:14 – as ordenanças foram removidas, encravadas por Cristo na cruz...).

A criatura humana não comparece perante Deus como criatura religiosa, nem em qualquer outra qualidade ou qualificação humana, porém mediante aquela natureza divina com a qual também Cristo se apresentou ao Pai, quando sua “percepção religiosa” o levou ao reconhecimento de que estava abandonado por Deus na cruz.

É na cruz, na morte de Cristo, que se patenteia a anulação da criatura – justamente da criatura religiosa – e também da cruz, da morte de Cristo, recebemos a certeza da reconciliação, do perdão, da justificação e da redenção.

Da morte, a vida! A morte quer dizer “esta” morte. Portanto, enquanto vivermos, enquanto formos aqueles que aqui somos (Rom. 7:1), sujeitos à lei, envolvidos na problemática da religião e atropelados no seu jogo contumaz de “sim” e “não”, na total ambigüidade da história e das experiências religiosas, nada podemos fazer para sair dessa situação, como também não pode a mulher casar-se com outro homem enquanto estiver vivo o seu marido.

Porém, se estivermos mortos com Cristo, sepultados com ele, se, vistos desde a cruz, já não pertencermos mais a este mudo mas “formos o que ainda não somos”, isto é, se houvermos, realmente, sido arrancados do jugo da lei, então já não estaremos presos às possibilidades (restritas) que a religião oferece, nem às suas exigências; então já estamos livres de toda e qualquer imposição humana e, assim como a esposa (mediante a morte do marido) se libertou dos laços que a prendiam a ele, assim como a viúva ficou livre para se unir a outro marido, também nós (pela morte com Cristo) obtivemos a liberdade para seguir o caminho onde não há dualismo: “para pertencermos a outro, àquele que ressurgiu dos mortos, para que frutifiquemos para Deus”.

Este “outro” é o que fica em contraste àquilo que representa o ponto máximo das possibilidades humanas. O “outro” é o Cristo ressurreto; é aquele que atingiu o máximo das possibilidades humanas, aquele que cumpriu a lei, e que é representado no ‘corpo vivo' (humano) de Jesus, o qual preencheu e cumpriu os preceitos e feitos humanos que a religião exige, colocando-nos, portanto, além deles, tirando os grilhões que nos atavam, abrindo as cadeias que nos seguravam, descerrando as algemas e nos libertando! Por esta libertação, vemos nele o “poder da obediência”, o “poder da ressurreição”.

Nesta limpeza de fronteiras, é necessário que primeiramente fique claro para nós o que é a liberdade de Deus, na qual se fundamenta a dádiva da graça, considerando o fato de que a graça está para a religião assim como a vida está para a morte.

Não será como pessoas religiosas que haveremos de conseguir cumprir (ou obedecer) a estranha ordem de, na qualidade de “libertos do pecado” e como “servos de Deus”, santificarmos os nossos frutos por meio dos nossos pensamentos, nosso querer e nossas obras (Rom. 6:22); esses frutos, que Deus juntará em seus celeiros, somente poderão ser produzidos por aqueles que receberam a graça divina da paz que está acima de todo entendimento; são os frutos mais elevados que só aqueles que vieram da morte para a vida, podem produzir.

Eis que Paulo ousa dirigir-se aos que, como ele próprio, “conhecem a lei” (Rom. 7:1) – e a conhecem muito bem – tratando-os por “meus irmãos” e escrevendo-lhes como a pessoas que também conhecem a invisível fundamentação em Deus que há na passagem de Cristo da crucificação para a ressurreição, e que está além do limite das possibilidades conhecidas da religião.

(KARL BARTH, Carta aos Romanos, Ed. Novo Século, 2003, págs. 358/361 Vs. 2-4)

Ler 1580 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Itens relacionados (por marcador)

  • Todas as coisas realmente cooperam para o bem?

    Você já deve ter ouvido umas mil vezes: “Não se preocupe, tudo vai dar certo!” Este é o eterno otimismo que nasce, não das provações da realidade, mas dos desejos da imaginação do sonho Americano, do faz-de-conta de Hollywood, ou da pura ingenuidade. Todos sabemos que não o é de todo verdade. Conhecemos casos de crianças que foram abatidas por um câncer ou por um motorista bêbado. Conhecemos casos de viciados em drogas que vieram de bons lares, de homens de família que perderam seus empregos, de soldados que retornaram do campo de batalha com um membro a menos. Estamos à par de incontáveis tragédias e sofrimentos desnecessários, mesmo assim repetimos para nossos filhos sem sequer pensar duas vezes: “Não se preocupe; tudo vai dar certo.”

  • O galardão cristão é interesseiro?

    Não devemos preocupar quando os incrédulos dizem que a promessa de galardão faz da vida cristã um negócio mercenário. Há tipos diversos de recompensas. Existe a recompensa que não tem nenhuma relação natural com os atos que se pratica para recebê-la, e é bem estranha aos desejos que necessariamente acompanham esses atos.

  • O conto do bilhete premiado
    Por

    No meio da balbúrdia que assola a igreja evangélica no Brasil, tenho uma dúvida cruel: o que leva alguém a seguir um falso profeta e acreditar em tudo o que ele diz? Qual é a motivação que está por trás dessa conduta? Obviamente, há muitos fatores que influenciam uma pessoa a entrar num regime de obediência cega a um líder religioso, sem questionar o seu testemunho e a sua pregação.

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários