• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Hedonismo e felicidade cristã

Escrito por  R. E. O. White
Hedonismo

HEDONISMO. Do grego hēdonē, “prazer”. O hedonismo consiste em todas aquelas teorias éticas que identificam o alvo moral como a felicidade, o prazer. Os cirenaicos antigos tomavam por certo que a previsão exata dos resultados prazerosos ou dolorosos das ações se constituía em sabedoria; mais tarde, enfatizavam que o prazer imediato era o resultado que sempre devia ser procurado. Os epicureus modificaram esta ideia, e cultivavam uma vida total de prazer, em contraste com os prazeres meramente momentâneos: “o prazer mediante a prudência” que garantia a sutileza, a variedade, a permanência, para satisfazer um ser racional. Nem o hedonismo “puro” nem o “modificado” fornecia orientação verdadeiramente moral.

O “hedonismo psicológico” sustentava que prazer/dor governam todas as escolhas (Bentham); desejar alguma coisa e achá-la prazerosa são inseparáveis (Mill). Certamente, qualquer objeto deve atrair (mover com prazer previsto), antes de ser escolhido; mas o desejo por algum objeto deve anteceder o prazer na sua realização; nem sempre são escolhidos o prazer ou as coisas agradáveis, porque isto não ofereceria base moral alguma.

O “hedonismo egoísta” (Hobbes) sustentava que, visto ser a felicidade geral uma abstração, cada um deve procurar somente a sua própria felicidade; ou que o fato de cada um procurar sua própria felicidade promoveria a felicidade geral. Mas a ideia de o egoísmo, mesmo do tipo mais refinado, sempre produzir o bem geral, contradiz toda a experiência.

O “hedonismo altruísta” (o utilitarismo muito influente) sustenta que cada um deve buscar a máxima felicidade para o maior número de pessoas (Mill), a identificação intelectual com os outros (Sidgwick) ou a simpatia emocional (Hume), fazendo com que a felicidade dos outros seja necessária para a nossa própria. Mas se o prazer for o alvo, por que o prazer dos outros deve negar o nosso próprio? Apelar à justiça e ao altruísmo introduz considerações não-hedonistas. E o prazer é passível de ser assim somado e redistribuído?

De modo geral, o hedonismo é criticado por identificar a felicidade com o prazer; por argumentar que, pelo fato de que aquilo que escolhemos deve atrair, logo, o prazer em si mesmo é o único alvo, o objeto, bem como o acompanhamento da escolha; porque desconsiderando isto, uma pessoa pode procurar muitas coisas (excelência artística, liberdade, fé), permanecendo indiferente aos prazeres que porventura tragam; por desconsiderar a pergunta verdadeiramente moral: com que devo ficar contente, até que grau e a que preço? Além disso, por reduzir a moralidade ao sentimento, omitindo seus aspectos racionais, éticos e sociais; por não fornecer critério algum para distinguir entre os prazeres superiores e inferiores; dignos e indignos, animais e espirituais ou os de uma pessoa e os de outra. Além disso, sendo que o prazer é altamente individualista, a sociedade não tem nenhum centro em comum para sentir o prazer ou a dor. O hedonismo não tem lugar algum para o auto-sacrifício, para a abnegação ou para o dever. Quando a obrigação é dissolvida no desejo, a moralidade desce à expediência, à procura daquilo que é mais confortável. As tentativas para avaliar os alvos do prazer levaram para a “teoria dos valores” (não-hedonista).

Mesmo assim, a vida moral realmente envolve sentimentos. As promessas do “galardão” percorrem todas as Escrituras, e o cristianismo, herdando a ideia de que um Deus amoroso criou o homem com sentimentos, nunca dispensou as considerações hedonistas. Sustenta que a conduta correta acabará finalmente rendendo satisfação ulterior, que o amor sempre promoverá a felicidade para os outros. Dezesseis vezes Jesus pronuncia como “bem-aventuradas” (ou felizes) certas atitudes e qualidades, e descreve a vida sob o domínio divino na linguagem de festas, vinho, pérolas, tesouros e gozo. Paulo, também, espera que os cristãos sejam felizes (Fp 4.4ss; cf. 1 Co 7.40).

Agostinho expunha o “eudemonismo” (Gr. eudaimonia, “felicidade”): sendo que a moralidade é a procura do bem, daquilo que obterá a felicidade, então o que importa é onde os homens o procuram. Não há felicidade na satisfação de cada desejo aleatório, nas coisas temporárias ou nas que valem menos do que a alma, mas somente no sumo bem do homem – Deus. Amar a Deus e desfrutar dEle é a verdadeira felicidade. Ambrósio e Aquino incluem a “felicidade” no propósito final do homem. Butler pensava que a natureza do homem o leva a procurar a maior felicidade possível; é virtuosa a devida preocupação com a felicidade e o esforço razoável para atingi-la. “Merece consideração se os homens têm a liberdade... de tornarem infelizes a si mesmos sem razão, mais do que fazer a mesma coisa com outras pessoas”. Assim, Kant, convicto de que o homem foi feito para exigir a felicidade dentro do seu derradeiro propósito, postulou a Deus e à imortalidade para harmonizar as exigências do dever com a necessidade inescapável da felicidade.

A maioria dos cristãos da atualidade é suficientemente hedonista e espera que a felicidade siga a dedicação, embora traduzam prazer em termos de “bênção” e tomem por certo que o amor de Deus signifique a solicitude divina no sentido de abrigar, confortar e recompensar os bons. Um hedonismo cristão maduro, embora seja dinâmico em visar a felicidade dos outros, nunca faria da sua própria felicidade um alvo, mas apenas um galardão, se Deus assim quiser, por uma vida dedicada ao serviço desinteressado de Cristo; ao passo que na “felicidade” incluiria o bem-estar espiritual total, com a aceitação divina que se sente.



Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã(WHITE, R. E. O., “Hedonismo”, in Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã, São Paulo: Vida Nova, 2009, vol. II, pp. 240-242).

Ler 6842 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Itens relacionados (por marcador)

  • Todas as coisas realmente cooperam para o bem?

    Você já deve ter ouvido umas mil vezes: “Não se preocupe, tudo vai dar certo!” Este é o eterno otimismo que nasce, não das provações da realidade, mas dos desejos da imaginação do sonho Americano, do faz-de-conta de Hollywood, ou da pura ingenuidade. Todos sabemos que não o é de todo verdade. Conhecemos casos de crianças que foram abatidas por um câncer ou por um motorista bêbado. Conhecemos casos de viciados em drogas que vieram de bons lares, de homens de família que perderam seus empregos, de soldados que retornaram do campo de batalha com um membro a menos. Estamos à par de incontáveis tragédias e sofrimentos desnecessários, mesmo assim repetimos para nossos filhos sem sequer pensar duas vezes: “Não se preocupe; tudo vai dar certo.”

  • O galardão cristão é interesseiro?

    Não devemos preocupar quando os incrédulos dizem que a promessa de galardão faz da vida cristã um negócio mercenário. Há tipos diversos de recompensas. Existe a recompensa que não tem nenhuma relação natural com os atos que se pratica para recebê-la, e é bem estranha aos desejos que necessariamente acompanham esses atos.

  • O conto do bilhete premiado
    Por

    No meio da balbúrdia que assola a igreja evangélica no Brasil, tenho uma dúvida cruel: o que leva alguém a seguir um falso profeta e acreditar em tudo o que ele diz? Qual é a motivação que está por trás dessa conduta? Obviamente, há muitos fatores que influenciam uma pessoa a entrar num regime de obediência cega a um líder religioso, sem questionar o seu testemunho e a sua pregação.

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários