Imprimir esta página

Discipulado

Escrito por  Dietrich Bonhoeffer
Sermão do monte

Quando as Escrituras Sagradas falam do discipulado de Jesus, proclamam a libertação do homem de todos os preceitos humanos, de tudo quanto oprime, sobrecarrega, provoca preocupações e tormentos à consciência. No discipulado, o ser humano sai de sob o jugo de suas próprias leis, e submete-se ao jugo suave de Jesus Cristo. Seria isso menosprezo da seriedade dos mandamentos de Jesus? Não. Antes, somente onde permanece de pé o mandamento integral de Jesus, o chamado ao discipulado sem restrições, é que se torna possível a plena libertação do homem para a comunhão em Jesus. Quem segue indiviso ao mandamento de Jesus, quem se sujeita sem resistência ao jugo de Jesus, a este se lhe torna leve o fardo que tem de levar, recebendo, na suave pressão desse jugo, a força necessária para percorrer o caminho certo sem cansaço. O mandamento de Jesus é duro, desumanamente duro para aquele que se lhe opõe. O mandamento de Jesus é suave e fácil para aquele que voluntariamente se lhe sujeita. “Os seus mandamentos não são penosos” (1ª Pedro 5:3). O mandamento de Jesus nada têm que ver com curas psicológicas violentas. Jesus nada nos exige sem nos dar forças para o realizar. O mandamento de Jesus jamais destruirá a vida, mas a conservará, fortalecê-la-á e a sanará.



Dietrich Bonhoeffer, em “Discipulado”, Ed. Sinodal, pág. 4 – Bonhoeffer, pastor luterano alemão, nasceu em 1906, e foi um dos grandes teólogos do séc. XX. Foi um dos poucos cristãos que lutaram abertamente contra o nazismo dentro da Alemanha, o que o levou a ser preso, torturado e finalmente enforcado nu em 1945 por ordem de Hitler, às vésperas do fim da 2ª Grande Guerra.

Ler 5405 vezes
Avalie este item
(0 votos)