• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

A tradução portuguesa aqui foi baseada no texto alemão apresentado na obra de Phillip Schaff, Creeds of the Evangelical Protestant Churches. Segundo Phillip Schaff, este texto foi obtido da terceira edição, que apareceu em Wittenberg, 1531, e que foi acuradamente republicado pelo Dr. Schneider, Berlin, 1853.

No fórum Catholic Answers Apologetics, a pergunta “Quais das 95 teses Roma não concorda hoje?” foi feita recentemente. Agora, se você nunca leu as 95 Teses, esta é uma leitura difícil. Não é um documento que faz muito sentido se você não estiver familiar com o fundo histórico e teológico da controvérsia entre Lutero e a igreja Romana.

Isso é um belo, doce e alegre começo de seu ensinamento e de sua prédica. Ele não vem aí como Moisés ou um doutor da lei, com ordens, ameaças e terror, porém, da maneira mais amigável, somente incentivando e atraindo, e com lindas promessas. Com efeito, se as primeiras queridas palavras e a prédica do Senhor Cristo não tivessem sido formuladas e apresentadas a todos nós dessa maneira, a curiosidade tomaria conta de cada um de nós e nos impulsionaria a correr atrás delas até Jerusalém, sim, até o fim do mundo, para ouvir apenas uma dessas palavras. Haja dinheiro para que a estrada seja bem construída! E cada qual se gloriaria orgulhosamente de que tinha ouvido ou lido as palavras e a prédica proferidas pelo próprio Senhor Cristo. Quão maravilhosamente bem-aventurado deveria ser chamado o homem que teve essa ventura! É exatamente isso que aconteceria, se não tivéssemos nada disso por escrito, embora tivesse sido escrito muita coisa por outros. Todos diriam: sim, eu ouço o que S. Paulo e outros de seus apóstolos ensinaram, mas gostaria muito mais de ouvir o que ele mesmo disse e pregou.

Entre 11 de agosto de 1532 e 27 de abril de 1533, Lutero proferiu, em Wittenberg, uma série de 17 pregações sobre o capítulo 15 da 1ª Carta de Paulo aos Coríntios. Jorge Rörer, que havia sido ordenado diácono pelo próprio Lutero em 1525, tinha também como uma de suas atribuições fazer anotações taquigráficas das prédicas de Lutero, compilando-as e - depois - Gaspar Cruciger deu-lhes o trato editorial e as publicou em 1533. A obra ocupa 140 páginas do vol. 9 das Obras Selecionadas de Martinho Lutero, publicado pela Ed. Sinodal em 2005, e se concentra mais no destino dos salvos e remidos por Jesus Cristo, mas dele destacamos os seguintes trechos em que o Reformador fala mais detidamente sobre inferno e imortalidade da alma no que diz respeito aos perdidos.

Pois nós, porque cremos que nenhuma alma vai ao purgatório a menos que pertença ao número daquelas a serem salvas, estamos certos da bem-aventurança delas, assim como estamos certos da salvação dos eleitos. Mesmo assim, não impugno muito se alguém afirma que elas estão certas [de sua bem-aventurança]. Eu digo [apenas] que nem todas estão certas. Mas como todo o assunto as almas no purgatório é sobremaneira abscôndito, explico a tese mais persuadindo do que demonstrando.

Meus caros amigos, vocês têm ouvido freqüentemente de que nunca houve um sermão público vindo diretamente do céu, com exceção de duas oportunidades. À parte deles, Deus falou muitas vezes com os homens na Terra, como no caso dos santos patriarcas Adão, Noé, Abraão, Isaque, Jacó, e outros, até chegar a Moisés. Mas em nenhum desses casos ele falou com tal esplendor, visivelmente realidade, ou clamor e exclamação populares, como Ele fez naquelas duas ocasiões. Deus iluminava os seus corações e falava através das suas bocas, como Lucas indica no primeiro capítulo do seu evangelho onde diz, “assim como desde os tempos antigos tem anunciado pela boca dos seus santos profetas” (Lucas 1:70).

O sermão sobre as duas espécies de justiça é uma amostra das tentativas de Lutero no sentido de comunicar o povo as verdades redescobertas nas obras do apóstolo Paulo e Santo Agostinho. Não se sabe ao certo quando Lutero proferiu o sermão. O texto da Epístola aos Filipenses 2.5-8 sugere o Domingo de Ramos de 1518 ou 1519. Publicado pela primeira vez em 1519, na casa editora de Johann Grünenberg.

Na sua exposição do capítulo 15 da 1ª Carta aos Coríntios, falando especificamente sobre os versículos 26 e 27, Lutero fala sobre a tolice humana de se apegar aos bens materiais quando eles são absolutamente inúteis diante da inevitabilidade da morte. O trecho abaixo faz parte de uma série de 17 pregações de Lutero levadas a cabo entre 11 de agosto de 1532 e 27 de abril de 1533, que foram compiladas pelo diácono Jorge Rörer e publicadas por Gaspar Cruciger no mesmo ano de 1533.

Nas Escrituras a coisa não é assim. E as questões que dizem respeito à suma majestade, bem como os mistérios mais abstrusos, não estão mais num beco obscuro, e, sim, nas próprias praças públicas e à vista de todos, revelados e expostos. Pois Cristo nos abriu a inteligência para que entendamos as Escrituras. E o Evangelho foi pregado a toda criatura.

Página 2 de 2

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários