• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Calvino, Ressurreição e Salvação

Escrito por  João Calvino

13. O SIGNIFICADO SOTERIOLÓGICO DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO

Ressurreição

Segue-se a ressurreição dentre os mortos, sem a qual estaria incompleto o que temos dito até aqui. Ora, uma vez que na cruz, morte e sepultamento de Cristo nada revelam senão fraqueza, todas essas coisas têm de ser ultrapassadas pela fé para que ela se revista de pleno vigor. E assim, embora tenhamos em sua morte a firme consumação de nossa salvação, visto que, por meio dela, não só fomos reconciliados com Deus, mas também ele fez satisfação ao justo juízo, e removida foi a maldição e totalmente paga a pena, somos, no entanto, declarados regenerados para uma viva esperança, não mediante sua morte, mas por meio de sua ressurreição [1 Pe 1:3]; porque, como ele, ao ressurgir, se enalteceu como vencedor da morte, assim a vitória de nossa fé afinal se assenta em sua própria ressurreição.

De que natureza seja isto, melhor se exprime nas palavras de Paulo, pois diz que ele morreu por causa de nossos pecados e ressuscitou por causa de nossa justificação [Rm 4.25], como se estivesse a dizer que o pecado foi removido por sua morte, a justiça restaurada e restabelecida por sua ressurreição. Ora, como, ao morrer, ele nos podia livrar da morte, se ele próprio fosse sucumbido à morte? Como nos haveria adquirido a vitória, se houvesse fracassado na luta? Pelo que, assim dividimos a matéria de nossa salvação entre a morte e a ressurreição de Cristo: mediante a morte de Cristo, o pecado foi aniquilado e a morte, extinta; por meio da ressurreição, a justiça foi restaurada e a vida, restabelecida; por isso, a morte de Cristo exibe sua força e eficácia para conosco em virtude da ressurreição.

Assim sendo, Paulo assevera que ele "foi declarado o Filho de Deus na própria ressurreição" [Rm 1.4], porque então, finalmente, externou seu poder celeste, que é não só o claro espelho de sua divindade, mas também o firme sustentáculo de nsosa fé, assim como ensina ainda em outro lugar "ter ele sofrido em razão da fraqueza da carne, mas ressuscitado pelo poder do Espírito" [2 Co 13.4]. No mesmo sentido, em outro lugar, discorrendo acerca da perfeição: "Para que conheça a ele e ao poder de sua ressurreição" [Fp 3.10]. Contudo, acrescenta imediatamente em seguida "a comunhão com sua morte". Com que está de perfeito acordo esta afirmação de Pedro: "Deus o ressuscitou dos mortos e lhes deu glória, para que nossa fé e esperança estivessem em Deus" [1 Pe 1.21]; Não que nos vacile a fé, visto que persiste apoiada na morte de Cristo; ao contrário, que o poder de Deus, em virtude do qual nos guarda sob a fé, se patenteia sobretudo na própria ressurreição.

Lembremo-nos, portanto, de que quantas vezes se faz menção apenas de sua morte, compreende-se, ao mesmo tempo, o que é próprio da ressurreição. Também, igual sinédoque há no termo ressurreição, sempre que se emprega separadamente de sua morte, de sorte que em si inclua o que diz respeito particularmente á sua morte. Mas, uma vez que, ressurgindo, Cristo conquistou a palma da vitória, de modo que se fizesse nossa ressurreição e nossa vida, com razão Paulo contende que "abolida é a fé e ineficaz e falaz o evangelho, a não ser que no coração nos seja gravada a ressurreição de Cristo" [1 Co 15.17]. Por isso, em outro lugar, após haver se gloriado na morte de Cristo contra os terrores da condenação, para acentuá-lo ainda mais, Paulo acrescenta: "Ora, o mesmo que morreu, ressuscitou e aparece agora perante Deus por nós, como nosso Mediador" [Rm 8.34].

Além disso, como antes expusemos, que a mortificação de nossa carne depende da comunhão da cruz de Cristo, assim importa-nos também entender que nós obtemos um outro fruto correspondente de sua ressurreição. Pois, por isso o Apóstolo diz: "Fomos enxertados na semelhança de sua morte, para que, compartilhando de sua ressurreição, andemos em novidade de vida" [Rm 6.4,5]. Dessa forma, como em outro lugar diz que morremos juntamente com Cristo, ele deduz o argumento de que devemos mortificar os membros sobre a terra; assim também, porque ressuscitamos com Cristo, disto infere que devemos buscar as coisas que estão acima, não as que estão sobre a terra [Cl 3.1-5]. Com estas palavras somos não apenas convidados pelo exemplo do Cristo ressurreto a buscar diligentemente novidade de vida, mas somos também ensinados que, por seu poder, ocorre que somos regenerados para a justiça.

Um terceiro fruto conseguimos ainda dela, a saber: que, visto que recebemos um penhor, somos feitos seguros acerca de nossa própria ressurreição , da qual aquela se mostra ser mui sólido fundamento, matéria essa a respeito da qual Paulo discute mais extensamente na Primeira Epístola aos Coríntios capítulo 15. Entretanto, precisa-se notar, de passagem, que se diz ter ele ressurgido dentre os mortos, expressão pela qual se exprime a veracidade tanto de sua morte, quanto de sua ressurreição, como se estivesse sendo dito que não só enfrentou a mesma espécie de morte de que morrem naturalmente os demais homens, mas também recebera a imortalidade na mesma carne que assumira como mortal.

Institutas edicao classicaCALVINO, João. As Institutas. Edição Clássica. São Paulo: Cultura Cristã, 2006. 2. ed. vol. 2, pp. 271-273.

Ler 3476 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Comentários   

0 #1 Frankmar Corrêa 05-08-2019 19:18
Irineu um Cristão do Seculo II ensinou sobre a Ressurreição: ''...As almas deles irão a um lugar insivel estabelecido por Deus e ai ficarão até a Ressurreição, á espera dela,reassumirão seus corpos numa ressurreição perfeita...então,Ressuscitando ,serão levados ao céu os que ,entre nós ,o Senhor julgará dignos...''
(Contras as Heresias-Irineu-livro 5-31,2)
Citar

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários