• Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.

    Mateus 5:44,45

  • Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível

    .

    Mateus 17:20

  • Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre?

    Lucas 15:4

  • Então ele te dará chuva para a tua semente, com que semeares a terra, e trigo como produto da terra, o qual será pingue e abundante. Naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.

    Isaías 30:23

  • As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem;

    João 10:27

prev next

Bem vindos!!

Sejam bem-vindos ao novo site e-cristianismo!! Nosso site foi recentemente invadido, então estamos trabalhando para recuperar o conteúdo. Esperamos terminar esta tarefa em breve.

Verso do dia

Calvino e a justificação pela fé

Escrito por  João Calvino

19. A FALTA DE LÓGICA DOS OPOSITORES DA JUSTIFICAÇÃO SOMENTE PELA FÉ, À PARTE DE QUALQUER OBRA DA LEI

Salto

O leitor deve já perceber com que gênero de equanimidade e justiça maquinam hoje os sofistas contra nossa doutrina, quando dizemos que o homem é justificado tão-somente pela fé [Rm 3.28]. Não ousam negar que o homem é justificado pela fé, uma vez que essa afirmação é reiterada na Escritura com tanta freqüência. Mas, visto que em parte alguma o termo somente é expresso, não admitem que se faça tal afirmação. Porventura é assim mesmo? Mas, que replicarão a estas palavras de Paulo onde ele contende que, a não ser que essa justiça seja gratuita, não pode ser justiça da fé? [Rm 4.2-5]. Como é possível que com obras o que é gracioso se enquadre? Além disso, com que astúcias descartam o que Paulo diz em outro lugar [Rm 1.17]: que a justiça de Deus se manifesta no evangelho? Se a justiça se manifesta no evangelho, certamente que ela não é mutilada, nem pela metade; ao contrário, aí ela é plena e absoluta. Portanto, a lei não tem lugar nessa justiça, nem prevalecem com seu subterfúgio, não só falso, mas até nitidamente ridículo, no tocante à partícula de exclusividade – somente. Ora, porventura não a atribui exclusivamente à fé ao remover toda virtude das obras? Pergunto: o que estas expressões significam: "Sua justiça se manifestou sem a lei" [Rm 3.21]; "O homem é justificado gratuitamente" [Rm 3.24]; e "sem as obras da lei"? [Rm 3.28].

Neste ponto, eles contam com engenhoso subterfúgio; ainda que eles mesmos não o tenham cogitado, pelo contrário, tomaram-no de Orígenes e de alguns dos antigos, no entanto é algo muito tolo, a saber: gritam que as obras excluídas são as cerimoniais da lei, não as morais. Tão proficientes se tornam com suas assíduas disputas que, na verdade, nem observam os rudimentos primários da dialética! Porventura pensam que o Apóstolo está a delirar quando, como prova de sua doutrina, adiciona estas passagens: "O homem que fizer estas coisas por elas viverá" [Gl 3.12]; e "Maldito é todo aquele que não cumprir todas as coisas que foram escritas no livro da lei" [Gl 3.10]? A não ser que estejam fora de si, não poderão dizer que se promete vida aos cultores de cerimônias, e que somente são malditos seus transgressores. Se estas passagens devem ser entendidas em relação à lei moral, não há dúvida de que também as obras morais sejam excluídas do poder de justificar.

Ao mesmo propósito contemplam estes argumentos de que Paulo faz uso "uma vez que por meio da lei advém o conhecimento do pecado" [Rm 3.20], portanto não a justiça, porque "a lei opera a ira" [Rm 4.15]; logo, não a justiça, porque "a lei não pode tornar segura a consciência" [Gl 3.21]. por isso, não pode conferir a justiça, porque "a fé é imputada para justiça" [Rm 4.5]; portanto, a justiça não é galardão de obra, ao contrário, é concedida não como devida, porque "somos justificados pela fé, cortada é a jactância" [Rm 3.27,28]; se uma lei fosse dada que pudesse vivificar, a justiça procederia, na verdade, da lei, mas Deus a todas as coisas encerrou debaixo do pecado, para que a promessa fosse dada aos que crêem [Gl 3.21,22]. Repliquem agora, se podem, que estas coisas se reportam às cerimônias, não às questões de natureza moral. Com efeito, até mesmo as próprias crianças zombariam de tão grande impudência! Portanto, quando se priva a lei da faculdade de justificar, isso deve ser visto como se referindo à lei em sua totalidade.

Institutas edicao classicaCALVINO, João. As Institutas. Edição Clássica. São Paulo: Cultura Cristã, 2006. 2. ed. vol. 3, pp. 217-218.

Ler 3462 vezes
Avalie este item
(1 Votar)

Últimos artigos

Assuntos principais

Últimos comentários